Arquivo da categoria ‘Festival de Jazz’

Quem não perde um festival de jazz deve ficar atento: dias 3, 4 e 5 de agosto, a partir das 20h30, acontece o festival ‘I Love Jazz’, no Auditório Ibirapuera em São Paulo. É a segunda edicação do evento na capital paulista.
Nomes do jazz moderno de vários cantos do mundo estarão reunidos para apresentações que pretendem desmistificar o jazz tradicional e trazer tudo de um jeito mais leve e tranquilo ao público. Confira quem se apresenta no festival:

Terça-feira: os americanos do Leroy Jones Sextet e o francês Claude Tissendier, que faz homenagem a John Kirby

Quarta-feira: Antigua Jazz Band, da Argentina, e The Judy Carmichael Seven (foto), dos Estados Unidos

Quinta-feira: Pink Turtle, da França, o argentino Victor Biglione e a brasileira Elza Soares

Os ingressos estão disponíveis no site http://www.ticketsforfun.com.br, pelo 4003-5588 ou nos pontos de venda. As entradas custam de R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia); também haverão ingressos a preços populares: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia).

[via Billboard]

please visit their website: jazzfest.sanjosejazz.org

Milton Nascimento incentivou o Clube da Esquina a cair no mundo

FESTIVAL INTERNACIONAL DE JAZZ DE OURO PRETO

Em 1993, Milton Nascimento criou uma espécie de Clube da Esquina internacional. No disco Angelus, reuniu James Taylor, Jon Anderson, Peter Gabriel, Herbie Hancock, Pat Metheny, Wayne Shorter e Ron Carter, entre outros. A experiência vivida em Minas foi levada para o mundo. Parte dessa história será contada no próximo domingo, quando, na Praça Tiradentes, em Ouro Preto, Milton dividirá o palco com Carter e Shorter (vale dizer que a parceria do cantor com o saxofonista data de 20 anos: o brasileiro participou do Native dancer, álbum de jazz fusion de Shorter). Os instrumentistas desembarcarão no Brasil exclusivamente para o show de encerramento do Tudo é jazz.
Confira a programação do 7º Tudo é jazz
A apresentação de Milton e banda – Wilson Lopes na guitarra e violão, Lincoln Cheib na bateria, Kiko Continentino nos teclados, Gastão Villeroy no baixo, Widor Santiago nos sopros e Marco Lobo na percussão – será antecedida por duas homenagens. Na manhã do dia 14, o chamado Cortejo da Raça vai sair da mesma praça em direção à Igreja do Rosário. Já no fim da tarde, também no ponto central de Ouro Preto, um concerto da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais reunirá cantores e instrumentistas mineiros da geração pós-Clube interpretando clássicos de Milton, como Fé cega faca amolada, Milagre dos peixes e Paula e Bebeto.Foram necessárias sete edições para que a homenagem fosse colocada em prática. “Agora é que tive coragem, pois antes achava o festival pequeno para ele”, afirma Maria Alice Martins, idealizadora do Tudo é jazz. “Há a parte afetiva, pois Milton é símbolo de uma geração, como também o fato de ter sido ele quem tocou esse bando de Minas para frente”, acrescenta. A idéia veio, há três anos, de Túlio Mourão (curador do evento, diretor musical da apresentação com a OSMG e um dos músicos que fez parte do time de Angelus). Primeiramente, pensou-se no convite a Hancock, mas o valor do cachê inviabilizou o projeto. “Tanto o Wayne quanto o Ron (que tocou da edição de 2005 do Tudo é jazz) cobraram valor simbólico para a homenagem”, conta Maria Alice. Para Túlio Mourão, celebrar Milton Nascimento faz-se mais do que necessário, pois “depois da bossa nova, não se conhece um compositor brasileiro que tenha motivado a comunidade jazzística internacional como ele”. O pianista, compositor e arranjador fala com conhecimento de causa. Integrante da banda de Milton, viajou pelo mundo ao lado dele durante 12 anos. “A gente tem a intenção de destacar o pioneirismo de Milton, além de encontrar novos caminhos para a música que vem de Minas”, afirma.

TRADIÇÃO QUE SE RENOVA
Tradição e renovação terão espaço no Tudo é jazz. O festival, que começou basicamente com shows pagos no Parque Metalúrgico, ano após ano vem se expandindo para a cidade de Ouro Preto, garantindo programação gratuita de alta qualidade. Além da homenagem a Milton Nascimento, um dos destaques dessa edição é a celebração da música de Nova Orleans, que será promovida no sábado, no Largo do Rosário. “A persistência dos músicos de lá é qualquer coisa de extraordinária”, comenta Maria Alice Martins.Dois tradicionais estilos da Louisiana serão ouvidos neste dia: o zydeco e o cajun. O primeiro é uma música tipicamente das populações negra e creole. Já o segundo pode ser de certa forma comparado ao nosso forró pé-de-serra (tomadas as devidas liberdades). Serão quatro os grupos, dois deles inéditos (e exclusivos do Tudo é jazz) no Brasil. A festa será aberta por Donald Harrison Jr., que vai fazer um show como O Cacique da Nação Congo. Além de sua própria banda, Harrison estará acompanhado de índios das tribos da Louisiana. Na seqüência será a vez da Free Agents Brass Band. É um grupo de garotos (muitos nem entraram na casa dos 20) que se formou depois do furacão Katrina (2005), tragédia que fez com que muitas dessas bandas (baseadas em instrumentos de sopro) acabassem. Na seqüência, subirá ao palco a cantora Charmaine Neville (filha de Charles Neville, dos Neville Brothers). Para finalizar, a Creole Zydeco Farmers que, como o próprio nome indica, é formada por fazendeiros, senhores que vivem na região de Lafayette, sede da cultura cajun. É música alegre, de alta rotação.Já no Parque Metalúrgico a história será diferente. Se a abertura do Tudo é jazz (quinta) será uma noite mais étnica, a de sexta vai reunir novos representantes da cena jazzística que convergiram em Nova York. Entre os nomes que participam estão The Jason Lindner Big Band e The Cohen’s Sextet, encabeçado pelos irmãos Avishai (trompete), Anat (clarinete) e Yval Cohen (sax), que aprenderam a tocar em bandas de Israel. O pianista Lindner participou da versão do ano passado do evento na banda do baixista Omer Avital (que agora se apresenta com os Cohen). “O que se pode dizer da cena musical da Nova York de hoje é quantidade de crossovers e do uso de novas tecnologia. Grupos com pelo menos um integrante que tenha vivido algum tempo em NY terão coisas em comum, já que a sonoridade que vem da cidade é urbana, moderna e multicultural”, afirma Lindner, considerado um dos pianistas mais inventivos da geração que despontou entre o final da década passada e o início desta.

FESTIVAL INTERNACIONAL DE JAZZ DE OURO PRETO – TUDO É JAZZ De quinta a domingo, em Ouro Preto. Ingressos para os shows no Parque Metalúrgico: Por dia – R$ 160 e R$ 80 (meia); passaporte para os três dias – R$ 380 e R$ 190. Os outros shows têm entrada franca. Informações: www.tudoejazz.com.br

MONTREUX JAZZ CAFÉ

Publicado: junho 24, 2008 em Festival de Jazz

Senhor MJF, Claude Nobs! (swissinfo)

MONTREUX JAZZ CAFÉ

Há vários anos, Claude Nobs procura prolongar a experiência do Montreux Jazz Festival, através de locais de “entretenimento” permanente. Um primeiro passo foi dado com o anúncio do primeiro “Montreux Jazz Café” permanente, que será aberto dia 27 de junho no aeroporto de Genebra.Um telão gigante passará em alta definição os arquivos do Festival. Os visitantes poderão consultar um banco de dados importante e escolher e ver os concertos que quiserem. Haverá pratos que refletem a paixão de Claude Nobs pela cozinha, com a colaboração do chefe Gilles Dupont.A franquia «Montreux Jazz Café» também será instalada em outros aeroportos. Dubaï, Cingapura, Hong Kong, Los Angeles e Copenhague já teriam manifestado interesse.

MONTREUX JAZZ FESTIVAL

La 42a edição será de 4 a 19 juillet.Nas total, nas duas salas atuais, se apresentarão mais de 90 grupos.Trinta concertos serão exclusividades suíças, entre eles os de Sheryl Crow, Joan Baez, The Raconteurs, Leonard Cohen e Madness, Gnarls Barkley e Travis, Etta James e les Babyshambles.Outras animações estão programadas, entre elas 250 concertos e DJ gratuitos.O orçamento este ano é de 18 milhões de francos suíços.

SITES RELATIVOS

Montreux Jazz Festival
Montreux Sounds
Fondaçao Montreux Jazz 2
Claude Nobs

O Festival de Jazz de Montreux, tradicionalíssimo evento do gênero musical, é o mais famoso festival de jazz do mundo. Entre os dias 04 e 19 de julho de 2008, Montreux se transformará novamente em metrópole da música: jazz, rock, blues, soul, pop, world, funk, reggae, rhythm’n’blues e música eletrônica são alguns exemplos da vasta seleção que o Montreux Jazz Festival proporciona anualmente.
Dentre as inúmeras atrações desta 42ª. Edição do Festival destacam-se lendas da música como a cantora de jazz Etta James acompanhada pela The Roots Band, a banda de rock inglesa Deep Purple, os mundialmente famosos Lenny Kravitz, Sheryl Crow e Alicia Keys e o Hip Hop & Soul do N.E.R.D e Gnarls Barkley. O festival também contará com apresentações dos roqueiros do The Raconteurs, projeto paralelo do líder do The White Stripes, o indie rock do Interpol e o electro rock da banda brasileira Cansei de Ser Sexy (CSS). Além disso, haverá um show especial para celebrar os 75 anos do produtor de grandes sucessos da música, o americano Quincy Jones, com a participação de James Morrison, Herbie Hancock, Chaka Khan e Petula Clark como convidados especiais.
O clima tropical vivido no Festival de Jazz de Montreux não se deve apenas ao verão europeu. Apesar do nome, o evento sempre oferece uma forte presença da música popular brasileira, que em 2008 completará 30 anos de presença no Festival: este ano, o evento conta com as apresentações de Gilberto Gil, Mart’Nália, Elba Ramalho, João Bosco, Milton Nascimento, Trio Jobim, além do projeto “Paraíba meu amor” dedicado ao forró e música nordestina em geral, com a participação de artistas como Chico César e Trio Tamanduá.
A cada ano, aproximadamente 220.000 espectadores freqüentam as noites do Festival de Jazz de Montreux, seja no suntuoso Auditório Stravinsky, no Miles Davis Hall, rico em ambientes, ou no Casino Barrière. Outra atração imperdível são os trens panorâmicos suíços que se transformam em verdadeiros palcos do jazz ao longo do festival. Os trens percorrem o trajeto de Montreux a Gstaad ou Rochers-de-Naye e contam com performances ao vivo pelo preço de 50 francos suíços.
Para mais informações: http://www.montreuxjazz.com/
Montreux Jazz Café
Há vários anos, Claude Nobs (fundador e diretor da manifestação do Montreux Jazz Festival) procura prolongar a experiência do Festival através de locais de entretenimento permanente. A partir deste ano, o Festival deverá se tornar ainda mais conhecido no cenário mundial: neste mês, a marca “Montreux Jazz Café” inicia um conceito inédito de gastronomia e música.No dia 27 de junho de 2008, o primeiro “Montreux Jazz Café” abrirá suas portas no aeroporto de Genebra. Com 150 lugares, o local oferecerá menus rápidos e leves, que refletem a paixão de Claude Nobs pela cozinha, com a colaboração do chefe Gilles Dupont.Além disso, um telão gigante passará em alta definição os arquivos do Festival. Os visitantes poderão consultar um banco de dados e ver os concertos que quiserem. Estarão disponíveis para compra CDs e DVDs originais de todos os concertos da história do Montreux Jazz Festival, assim como artigos de merchandising, entre eles camisetas, bonés, canecas etc. E, como não poderia faltar, um palco montado no próprio local receberá bandas com apresentações ao vivo aos visitantes.Após o projeto-piloto em Genebra, o plano de expansão internacional da marca “Montreux Jazz Café” seguirá para os aeroportos de Dubai, Cingapura, Hong Kong, Los Angeles e Copenhague. “Com o projeto Jazz Café, quero levar a marca Montreux ao redor do mundo”, esclarece Nobs.

Pelo quinto ano, a Soltz Eventos realizará, de 9 a 25 de agosto, mais uma edição do “Jazz Festival”. O Festival conta com apoio da Lei de Incentivo à Cultura Federal e Estadual de Minas Gerais e pelas empresas: Oi, Gasmig, Usiminas, Cosipa, Companhia Vale do Rio Doce, Banco BRB, Banco BMG e Confederação Nacional do Transporte.
Além de proporcionar momentos inesquecíveis, em que os mais virtuosos e respeitados artistas interpretam toda magia e envolvimento que o gênero musical desperta nas pessoas, o festival mostrará alguns dos estilos presentes nas origens do jazz através das diversas nacionalidades dos convidados. “Recordar o autêntico jazz, reviver e relembrar seus ícones através do talento e prestígio dos músicos, e curtir o que há de melhor do swing jazzístico são alguns dos ingredientes deste cardápio musical que ocorrerá durante o mês de agosto em diversas cidades brasileiras” reforça Leonardo Soltz, empresário e produtor geral do Jazz Festival.
Consolidado, respeitado e com um público que cresce a cada ano, o Jazz Festival será realizado em sete capitais brasileiras, durante o mês de agosto. São elas: Brasília (7, 8 e 9/8), Belo Horizonte (9, 10 e 11/8); São Paulo (8, 9 e 10/8); Rio de Janeiro (13, 14 e 15/8); Recife (16, 17 e 18/8); Aracaju (17, 18 e 19/8) e Belém (22 e 23/8). Além dessas cidades, o evento acontecerá também em Tiradentes nos dias 18 e 25 de agosto, durante o X Festival Internacional de Cultura e Gastronomia.
A seleção das atrações feita pela curadoria do Festival, se deu a partir de uma criteriosa pesquisa, considerando a qualidade, o talento e reconhecimento dos artistas pela crítica e pelo público. Na edição de 2007, o público brasileiro poderá assistir alguns dos nomes mais respeitados do jazz mundial.
Prêmio Jazz Festival
A partir deste ano, a organização do Jazz Festival fará a entrega de um prêmio para músicos, instituições, grupos, críticos ou qualquer pessoa que tenha contribuído de maneira significativa para o jazz no mundo. O prêmio deste ano será entregue à Duke Ellington Orchestra. A orquestra é a mais reconhecida do gênero musical e teve na figura de Duke Ellington seu grande sucesso. Duke foi, ao lado de Louis Armstrong, o maior nome da história do jazz e da música norte-americana. Foi um genial pianista, compositor e arranjador.
Apesar de Ellington ter sido a mente por trás da orquestra, será a orquestra como um todo que receberá o prêmio. Desta forma, a organização fará a homenagem a uma instituição que não só contribuiu com suas performances e gravações, mas também com vários nomes que posteriormente influenciaram outros. Músicos como Johnny Hodges, Ben Webster, Bubber Miley, Barney Bigard, Jimmy Blanton, Cootie Williams, Harry Carney, Russel Procope, entre vários outros, estarão também, de certa forma, sendo homenageados.
O prêmio será entregue ao neto de Duke Ellington – Paul Mercer Ellington, durante a apresentação da banda em Belo Horizonte, cidade onde nasceu o Jazz Festival, atualmente o maior evento de jazz do Brasil.
Local, data e preço dos ingressos
BRASÍLIA
Data: 7/08- Dan Barnett and the All Stars Jazz Band (Austrália/BRA) / Swing Time and the Tap Dancers (EUA)
08/08 – Duke Ellington Orchestra (EUA)
09/08 –Porteña Jazz Band (ARG) / Irakli and the Louis Ambassadors (FRA)
Local: Teatro Nacional – Sala Martins Pena
Endereço: Setor Cultural Norte Via N 2
Horário: 21h.
Preços: 08/08 – R$ 8007 e 09/08 – R$ 50

BELO HORIZONTE
Data: 09/08 – Duke Ellington Orchestra (EUA)10/08- Dan Barnett and the All Stars Jazz Band(Austrália/BRA) / Swing Time and the Tap Dancers(EUA)11/08 – Porteña Jazz Band(ARG) /Irakli and the Louis Ambassadors(FRA)
Local: Palácio das Artes – Grande TeatroEndereço: Avenida Afonso Pena, nº 1.537 – CentroHorário: 21h.Preço: R$ 50
Data: 12/08- Swing Time and the Tap Dancers (EUA)Local: Varanda Palácio das ArtesHorário: 11h.Preço: Gratuito

SÃO PAULO
Data: 8/08 – Porteña Jazz Band(ARG) / Irakli and the Louis Ambassadors(FRA)09/08 – Dan Barnett and the All Stars Jazz Band(Austrália/BRA) / Swing Time and the Tap Dancers(EUA)
10/08 – Duke Ellington Orchestra (EUA)
Local: Bourbon Street Jazz ClubEndereço: Rua dos Chanés, nº 127 – MoemaHorário: 21h.Preço: R$ 65

RIO DE JANEIRO
Data: 14/08 – Porteña Jazz Band(ARG) / Irakli and the Louis Ambassadors(FRA)15/08 – Duke Ellington Orchestra (EUA)
16/08 – Dan Barnett and the All Stars Jazz Band(Austrália/BRA) / Swing Time and the Tap Dancers(EUA)
Local: Teatro Sesc GinásticoEndereço: Av. Graça Aranha, nº 187Horário: 19h30Preço: R$ 50

RECIFE
Data: 16/08- Porteña Jazz Band(ARG) / Irakli and the Louis Ambassadors(FRA)
17/08- Duke Ellington Orchestra (EUA)
18/08- Dan Barnett and the All Stars Band(Austrália/BRA)/ Swing Time and the Tap Dancers(EUA)
Local: Teatro de Santa Isabel
Endereço: Pça. da República, s/nº – Santo AntônioHorário: 21h.Preço: R$ 50

ARACAJU
Data: 17/08 – Porteña Jazz Band(ARG) / Irakli and the Louis Ambassadors(FRA)
18/08 – Duke Ellington Orchestra (EUA)
19/08 – Dan Barnett and the All Stars Jazz Band/Swing Time and the Tap Dancers(EUA)
Local: Teatro Tobias BarretoEndereço: Av. Presidente Tancredo Neves, nº 2.209 – Inácio Barbosa Horário: 21h.Preço: R$ 50

BELÉM
Data: 22/08 – Dan Barnett and the All Stars Jazz Band(Austrália/BRA)
23/08- Swiss College Dixie Band (SUI/BRA)
Local: Estação GasômetroEndereço: Av. Magalhães Barata, s/nº – Parque da ResidênciaHorário: 20h.Preço: R$ 50

TIRADENTES
Data: 18/08- Swiss College Dixie Band (SUI/BRA)
25/08 – Dan Barnett and the All Star Jazz Band (Austrália/BRA)Local: Largo das ForrasEndereço: Rua do Chafariz s/n, Centro. IX Festival Internacional de Cultura e Gastronomia de TiradentesHorário: 17h.Preço: Gratuito