Arquivo da categoria ‘Notícia’

O saxofonista James Moody em foto de 2008
(Foto: Fred Prouser/Reuters).

O saxofonista americano James Moody, um dos pais do bebop, o estilo do jazz desenvolvido nos anos 40, morreu na quinta-feira aos 85 anos de câncer de pâncreas em San Diego (Califórnia, oeste), informou nesta sexta-feira sua esposa, Linda Moody, em um comunicado.

“Meu doce, querido e precioso marido morreu hoje (quinta-feira) após dez meses lutando contra o câncer de pâncreas”, revelou a esposa do músico. “Meu grande desejo era garantir que Moody transcendesse pacífica e calmamente, e nos encontrávamos na residência para doentes de San Diego desde segunda-feira”, explicou.

Moody era considerado uma instituição do jazz por ter sido um dos participantes da criação do bebop, um estilo musical do jazz que se desenvolveu nos anos 40 por iniciativa de Dizzy Gillespie, Charlie Parker, Max Roach, Bud Powell e Thelonious Monk.

Como muitos músicos da época, o intérprete de “Moody’s mood for love” começou a dar seus primeiros passos na arte em uma banda da Força Aérea e, após a guerra, juntou-se a Dizzy Gillespie, seu grande modelo.

O funeral do saxofonista, nascido no dia 26 março de 1925 em Savannah (Geórgia, sul), será uma cerimônia pública no dia 18 de dezembro no Greenwood Memorial Park de San Diego, sul da Califórnia.

Morre aos 70 anos o soulman Solomon Burke

Publicado: outubro 10, 2010 em Notícia
Solomon Burk e Joss Stone em show no Cascais Cool Jazz Fest (Portugal)

O cantor norte-americano Solomon Burke morreu neste domingo (10) de manhã quando chegava de avião a Amsterdã, vindo de Los Angeles.

Ainda não estava claro se ele morreu no avião ou depois de chegar à capital da Holanda.

Burke, que era conhecido como ‘o rei do rock’n soul’, iria fazer um show na terça-feira à noite.

Nascido em 21 de março de 1940 na Filadélfia, ele fez sucesso de público com “Everybody needs somebody to love”, do filme “Blues Brothers” (Os irmãos cara-de-pau), de 1980, entre outras.

O cantor norte-americano Eddie Fisher, um dos grandes nomes do rock dos anos 50, morreu na última quarta, aos 82 anos, em Berkeley, no estado americano da Califórnia, onde morava.Famoso pelos seus casamentos com celebridades do cinema, como Elizabeth Taylor, Connie Stevens e Debbie Reynolds. A causa da morte foi uma complicação durante uma cirurgia no quadril que o cantor foi submetido.

[via iG]

George David Weiss (Courtesy Of Sam Teicher Collection/songwriters Hall Of Fame – Courtesy Of Sam Teicher Collection/songwriters Hall Of Fame)
Se você vive neste planeta, então provavelmente conhece os clássicod “What a Wonderful World” “Can’t Help Falling in Love”. Pois bem, o compositor dessas duas grandes canções da world music, George David Weiss, morreu ontem, aos 89 anos, de causas naturais em sua casa em Nova Jersey.

Entre os cantores que gravaram a música do compositor estão os Frank Sinatra, Elvis Presley entre outros grandes nomes da música mundial. “The Lion Sleeps Tonight”, gravada pelo The Tokens; “Surrender”, gravada por Perry Como, e “Oh! What It Seemed to Be”, que tem versão na voz de Sinatra, são outras de suas composições mais famosas.

[via UOL]

Como uma maneira de lembrar uma das últimas missões dos ônibus espaciais “Discovery” e “Endeavour”, a Nasa agora permite que o público escolha quais músicas serão tocadas para acordar os astronautas “de manhã” (se é que existe manhã no espaço).
No site songcontest.nasa.gov, o público pode votar em uma lista com 40 músicas e escolher sua preferida, ou ainda enviar sua própria canção — só que ninguém garante que ela será executada, claro.

“Estamos ansiosos para ouvir a música que o público vai escolher”, disse o comandante da missão STS-133, Steve Lindsey. “Vai ser uma decisão difícil”, acrescentou. A previsão é que a nave retorne à Terra no dia 1° de novembro.

[via UOL]

O veterano músico Ben Keith, que trabalhou com o cantor e compositor canadense Neil Young por quase 40 anos, morreu na última segunda-feira (26), informou o site do jornal britânico “The Guardian”. Keith tinha 73 anos e sofreu um ataque cardíaco.
O próprio Young deu a notícia em primeira mão durante um show em Winnipeg (Canadá), na segunda-feira, quando dedicou a canção “Old man” ao amigo e parceiro. “Isto é para Ben Keith. Seu espírito vai continuar vivo. A Terra o levou”, declarou.

O cineasta Jonathan Demme – que dirigiu os filmes concerto de Young Heart Of Gold (2006) e este ano o Neil Young Trunk Show – confirmou a morte de Keith, em Los Angeles Times ontem (27 de julho).

O músico Ben Keith (tocando steel guitar sentado) ao lado de Pegi Young e Neil Young, em cena do filme ‘Heart of gold’, do cineasta Jonathan Demme (Foto: Divulgação)

“Keith era um cara elegante, bonito, e, obviamente, um gênio. Ele podia tocar qualquer instrumento. Neil tinha toda a confiança do mundo, mas, com Ben a bordo, não havia limites. Neil tem uma justa medida da grandeza de sua música, mas sabia que era ainda melhor quando Ben estava lá”, disse o cineasta Jonathan Demme ao jornal “Los Angeles Times” — Demme transformou shows de Neil Young nos filmes “Heart Of gold” (2006) e “Trunk show” (2010).

Keith já havia se tornado um músico conhecido em Nashville, quando gravou sucessos como “I fall to pieces”, da cantora country Patsy Cline, em 1962. Quase dez anos depois, em fevereiro de 1971, juntou-se a Nel Young nas sessões de “Harvest”, que marcou o início da colaboração entre os dois.

Ben participaria ainda de muitos outros álbuns de Young, como “On the beach”, “Tonight’s the night”, “Comes a time”, “Prairie wind” e “Chrome dreams II”. Também se tornaria um músico fundamental nas bandas formadas pelo cantor nas turnês.

Além de Neil Young, o multi-instrumentista também trabalhou com Emmylou Harris, Crosby, Stills & Nash, The Band, Bob Dylan, Ringo Starr e Linda Ronstadt.

O grupo Big Star nos anos 70, em imagem da capa
da caixa ‘Keep an eye on the sky’. (Foto: Divulgação)

Andy Hummel, baixista do grupo de power pop dos anos 70 Big Star, morreu nesta segunda-feira (19) aos 59 anos após dois anos de luta contra o câncer. A notícia foi divulgada no Twitter por Ken Stringfellow, atual baixista do grupo.

Hummel morreu quatro meses após o vocalista, guitarrista e principal compositor da banda, Alex Chilton. Segundo o site DFW.com, um funeral para o baixista será realizado na quarta-feira (21).

O Big Star foi formado por Chilton em 1971 ao lado do guitarrista e também compositor Chris Bell, que deixou a banda em 1972 e morreu em um acidente de carro em 1978, aos 27 anos. Além de Hummel, a formação do grupo contava com o baterista Jody Stephens, o único membro original da banda ainda vivo.

O gupo desfez-se em 1974, antes do lançamento do terceiro disco. Apesar da falta de sucesso comercial, a banda se tornou objeto de culto entre os fãs de música, influenciando artistas como R.E.M. e Wilco.

Em 1993, Chilton e o baterista Jody Stephens se reuniram com os fãs Ken Stringfellow e Jon Auer, do grupo Posies, para reformar o Big Star.

A banda chegou a gravar um disco de inéditas, “In space”, de 2005. Em 2009 foi lançada a caixa comemorativa “Keep an eye on the sky”, e o documentário “Nothing can hurt me”, sobre a história da banda, deve ser lançado em 2010.

Hummel voltou aos palcos com o Big Star apenas em maio deste ano, para participar de uma homenagem a Chilton no festival South by Southwest no Texas.

Harvey Fuqua ajudou a consolidar a célebre Motown Records.(Foto por Divulgação)

Harvey Fuqua, o descobridor do mitológico astro da black music americana Marvin Gaye, morreu nesta terça-feira (6), vítima de problemas cardíacos, conforme informação do site da revista americana Billboard. Ele tinha 80 anos de idade.

Fuqua teve grande importância na história da música pop. Sua carreira começou como integrante e líder do grupo vocal The Moonglows nos anos 50, cujos maiores sucessos foram Sincerely e Ten Commandments Of Love. Eles foram incluídos no Rock And Rol Hall Of Fame em 2000.

Uma das últimas formações de seu grupo inclui Marvin Gaye. Quando ele, após rápida experiência com um selo próprio, foi trabalhar na Motown Records, levou junto o jovem amigo, que acabou com o decorrer dos anos se tornando um astro.

Gaye era muito grato a Fuqua não só pelo apoio artístico, mas principalmente em seu lado pessoal, quando o músico estava totalmente envolvido com o vício em drogas e bebidas. Ele só saiu dessa fase ruim e teve um retorno às paradas de sucesso com a música Sexual Healing em 1983 graças a Fuqua.

Mas o mérito profissional de Harvey Fuqua foi bem além disso. Além de ter sido fundamental para que a Motown Records se tornasse uma das gravadoras mais importantes de todos os tempos, ele também impulsionou rumo ao estrelato artistas e grupos importantes como Etta James, The Spinners, Junior Walker & The All Stars e o ícone da disco music Sylvester, que graças a ele se firmaram no meio musical.

O músico Tony Peluso (Foto: Divulgação)

Tony Peluso, que foi guitarrista da dupla The Carpenters antes de se tornar produtor da gravadora Motown, morreu no último dia 5, em Los Angeles, vítima de uma doença no coração. As informações são do site “The Hollywood Reporter”.

Ganhador de quatro prêmios Grammy, Peluso tinha 60 anos e começou a carreira trabalhando com o ídolo adolescente Bobby Sherman, no final dos anos 60. Foi guitarrista na banda Paul Revere & The Raiders antes de se juntar aos Carpenters, em 1971, aos 21 anos.

Em 1983, depois da morte de Karen Carpenter, Peluso tornou-se produtor da lendária Motown Records, onde trabalhou com Smokey Robinson, Michael Jackson e o grupo vocal The Temptations, entre outros.

Mais recentemente, trabalhou na trilha sonora do filme “Brokeback mountain”, vencedor do Oscar em 2006. Ele deixa dois filhos.

Por causa de uma doença, o cantor, compositor e guitarrista John Mayer cancelou a apresentação que faria no Rock in Rio Madri. A organização do evento revelou nesta quarta-feira (2), dois dias antes do evento, a banda que o substituirá. O espaço no quarto dia do festival, anteriormente reservado a John Mayer, fica agora com o grupo espanhol Macaco.