Arquivo da categoria ‘Soul’

Detalhe da capa de ‘Let’s get it on’, de Marvin Gaye. (Foto: Reprodução)

Por 20 meses, ele já teve o single mais vendido da história da clássica gravadora de soul Motown. Ele tocou bateria em “Please, Mr. postman” , das Marvelettes, lançou um dos primeiros discos conceituais da música negra, foi um dos primeiros artistas a cantar sobre ecologia com “Mercy mercy me” e foi considerado um dos dez maiores cantores da música pop pela revista “Rolling Stone”.

Mas a vida de Marvin Petz Gay Jr. – mais conhecido como Marvin Gaye – não foi feita só de sucessos. A carreira de um dos maiores artistas da soul music também foi marcada por tragédias, começando com o desmaio que Tammi Tarrel, sua parceira de gravadora teve ao seu lado, em cima do palco (e sua subseqüente morte), passando por problemas com drogas, divórcios conturbados e a tragédia final que tirou a sua vida em 1º de abril de 1984 – há 25 anos, na véspera de seu aniversário de 45 anos.

Filho do pastor

Gaye nasceu no dia 2 de abril de 1939, em Washington DC, filho de Alberta Cooper Gay e Marvin Gay. O pai era pastor de uma igreja pentecostal dissidente chamada House of God (“Casa de Deus”, em inglês). Gaye apanhava constantemente do pai, e seu sobrenome, aliado à sua voz aguda, despertavam rumores de que era homossexual entre os colegas de escola. Quando se tornou cantor, adicionou um “e” ao sobrenome – em parte fugindo do rótulo de gay e em parte como homenagem ao seu ídolo Sam Cooke.

Gaye participava dos sermões do pai, cantando hinos gospel, e também era fã de grupos de doo wop. Na escola, participou de banda do estilo, cantando e tocando bateria. Após ser dispensado do serviço militar, entrou para o The Marquees, do amigo Reese Palmer. Após gravar um single pelo selo da Chess comandado por Bo Diddley, foram contratados por Harvey Fuqua para tocarem na nova versão do grupo The Moonglows.

A banda se desfez em 1960, depois de cantarem em faixas de Chuck Berry e Etta James e gravarem alguns singles. Fuqua levou Gaye para Detroit, onde conseguiu um contrato para o cantor com a Anna Records – que viria a se tornar uma subsidiária da Motown.

Além de cantor, Gaye foi baterista do selo, gravando, entre outras músicas, “Mr. postman”, sucesso do girl group The Marvelettes que ganharia versão dos Beatles posteriormente. Rebelde, não se ajustava ao “padrão Motown de qualidade”, se recusando a ter as aulas de etiqueta e postura de palco patrocinadas pelo selo. Ainda assim, teve seu primeiro hit à frente do microfone em 1962, com “Stubborn kind of fellow”.

Tammi Terrell

Após uma série de hits (“Ain’t that peculiar”, “How sweet it is”) e duetos (com Kim Weston e Mary Wells), Gaye achou sua parceira musical em Tammi Terrell, jovem cantora contratada pela Motown em 1965. Juntos, gravaram o álbum “United”, com os singles “Ain’t no mountain high enough”, “You’re all I need to get by” e “Ain’t nothing like the real thing”.

Mas a parceria não durou muito – durante uma apresentação em outubro de 1967, Terrell desmaiou no palco, nos braços de Gaye. No hospital, o diagnóstico foi mais sério – a cantora tinha um tumor maligno no cérebro. Segundo o livro “Divided soul: The life of Marvin Gaye”, Terrell parou de cantar, e os vocais do disco “Easy”, de 1969, teriam sido gravados por Valerie Simpson. Gaye, por sua vez, ficou arrasado com a doença de sua parceira, deixando inclusive de aproveitar o sucesso de seu maior hit, “I heard it through the grapevine”.

A música, composta por Norman Whitfield e Barrett Strong, foi gravada por Gaye em abril de 67, mas rejeitada pelo presidente e fundador da Motown Barry Gordy Jr. – irmão de Anna Gordy, com quem Gaye se casou em 1962. Insistindo na qualidade de faixa, Whitfield gravou uma nova versão, com Gladys knight and the Pips – que se tornou um dos maiores hits do grupo.

Lançada em 1968 no álbum “In the groove”, a música começou a ser tocada pelos Djs das rádios – apesar do single oficial do disco ser “You”. Pressionada pelo sucesso popular, a gravadora lançou “Grapevine” como single – e a canção ficou durante sete semanas em primeiro lugar da Billboard, se transformando no compacto mais vendido da gravadora até então (mas o recorde seria batido 20 meses depois, com “I’ll be there”, do Jackson 5).

What’s going on

Terrell acabou morrendo em 1970, aos 24 anos. Gaye estava completamente desolado, chegando a tentar a carreira no futebol americano. Cansado do controle criativo imposto pela Motown, resolveu entrar no estúdio e gravar “What’s going on”, libelo pacifista fora dos padrões românticos da gravadora.

Gordy não gostou da ideia (disse que a música era “a pior coisa que já ouvi”), mas após o cantor ameaçar deixar o selo, resolveu lançar um compacto com a música, sem nenhum tipo de publicidade. Ainda assim, a faixa ficou em segundo lugar nas paradas pop e em primeiro nas de R&B, e o diretor da Motown foi obrigado a pedir um álbum inteiro no mesmo estilo para Gaye.

Lançado em 1971, “What’s going on”, o álbum, se tornou um clássico da black music, influenciando uma série de artistas – começando pelos colegas de selo, como Stevie Wonder, que começaram a procurar um rumo mais autoral em suas próprias carreiras. Além da faixa-título, o disco ainda rendeu os singles “Mercy mercy me” (sobre ecologia) e “Inner city blues”. O álbum ainda foi eleito “Disco do ano” pela revista Rolling Stone.

Here, my dear

Gaye continuou sua carreira de sucesso com o sensual “Let’s get it on”, disco que se tornou o álbum mais vendido de sua carreira. Também gravou em 1972 “Diana & Marvin”, álbum composto apenas de duetos com a ex-Supremes Diana Ross.

Gaye divorciou-se de Anna em 1977, e, como parte de uma decisão judicial, teve que dar parte da renda de seu próximo disco para a ex-esposa. O resultado foi “Here, my dear” (“Aqui, minha querida”, em inglês), álbum duplo de pouco sucesso onde o cantor dissecava amargamente o relacionamento em faixas como “When did you stop loving me, when I did stop loving you?”.

Em 1979, o cantor declarou falência e foi morar no Havaí, morando em uma van. Gaye partiu para uma turnê europeia em 80, e terminou de gravar seu último álbum pela Motown, “In our lifetime?”. Após o lançamento do disco, brigou com a gravadora, acusando os executivos de terem modificado o álbum.

Tragédia

Em 1982, Gaye mudou-se para a pequena cidade costeira de Ostend, na Bélgica, onde gravou seu último grande sucesso, “Midnight love”, álbum que continha a faixa “Sexual healing”, vencedora de dois Grammys. O single vendeu dois milhões de cópias nos EUA, passando dez semanas no topo das paradas de R&B.

Afetado por uma séria depressão, Gaye interrompeu a turnê do disco em agosto de 1983 – supostamente, o cantor teria até mesmo tentado o suicídio em alguns momentos. Voltando a morar com a família, se desentendia constantemente com o pai. Acabou vítima do progenitor, que disparou contra o filho após este intervir em uma discussão que estava tendo com sua esposa. A arma do crime havia sido um presente do cantor para o pai, dado quatro meses antes. Marvin Gaye morreu no dia 1º de abril de 1984 – um dia antes de seu aniversário. Uma tragédia sem tamanho para quem havia cantado, uma década antes, que “só o amor pode conquistar o ódio”.

Soul

Publicado: novembro 28, 2008 em Soul

Aretha Franklin,Marvin Gaye,Otis Redding e Sam Cooke

O soul está para os americanos como o samba está para os brasileiros. Se pensarmos nas origens, em como a música era trabalhada, nas letras e nos músicos que entraram para a história, os dois ritmos têm sua devida e reconhecida importância. Nomes como Marvin Gaye, Sam Cooke, Otis Redding e Aretha Franklin, entre tantos outros, consolidaram o ritmo e se tornaram influência para roqueiros, músicos pop, para o funk e até para o hip hop. Aqui, você vai ver um pouco mais sobre este gênero tipicamente americano, e vai se deliciar com os clássicos que a Antena 1 trás para você.

Três grandes ídolos do soul têm algumas semelhanças na carreira. Otis Redding, Sam Cooke e Marvin Gaye começaram a cantar ainda crianças, em corais de igrejas protestantes, religião predominante nos Estados Unidos.

A formação gospel, aliás, é uma das principais características do soul americano. Após os anos na igreja e algumas incursões em bandas, os três fizeram grande sucesso na década de 60. Os problemas, porém, foram outros: durante a década de 70, Marvin Gaye se envolveu com drogas e tanto sua vida pessoal quanto a profissional foram muito prejudicadas. Ele também teve a carreira mais longa dos três, mas seu fim não foi menos traumático: Marvin morreu assassinado pelo próprio pai em abril de 1984.

Duas décadas antes, em dezembro de 1964, Sam Cooke foi assassinado por uma gerente de hotel e em dezembro de 1967. Otis Redding, por sua vez, não viu seu maior sucesso ser lançado: antes de “Dock of the Bay” sair em disco, o cantor morreu em um acidente de avião.

Existem vários títulos de nobreza na música. O Rei do Rock é Elvis Presley; o Rei do Pop é Michael Jackson… Pelo menos para os fãs, seus ídolos nunca perdem a majestade. Mas há uma mulher que nunca perde seu posto de Rainha do Soul: Aretha Franklin.

Aretha começou a cantar como tantos outros, no gospel da igreja. Começou a gravar aos 14 anos, e desde então, conquistou 17 Grammys e inúmeros sucessos. Cantou em eventos extremamente distintos entre si, como o funeral de Martin Luther King e o baile de posse do presidente americano Bill Clinton. Foi a primeira mulher na música pop a ser indicada ao Rock and Roll Hall of Fame. E por todos seus feitos e sucessos, sua voz foi considerada “recurso natural de Michigan” pelos deputados deste estado. Recentemente, roubou a cena no show Divas Live, onde se apresentou com Mariah Carey e Celine Dion, entre outras. Aretha permanece fiel ao seu estilo, além do gospel e do blues, onde também é chamada de rainha.