Arquivo da categoria ‘Vanessa da Mata’

     A cantora Vanessa da Mata traz seu novo trabalho a SP

Em dezembro, a cantora Vanessa da Mata leva ao palco do Citibank Hall, em São Paulo, o seu novo show, baseado no recém-lançado álbum Bicicletas, Bolos e Outras Alegrias.

A as apresentações acontecem nos dias 10 e 11, e os ingressos já estão à venda.

Kassin assina a direção musical do espetáculo. No repertório, canções do novo trabalho, como O Tal Casal, e sucessos como Ai Ai Ai, Boa Sorte, Amado e Não me Deixe Só.

Vanessa sobe ao palco acompanhada por Gustavo Ruiz (guitarra), Donatinho (teclados), Stephane San Juan (bateria), Maurício Pacheco (guitarra) e Kassin (baixo).

Vanessa da Mata
Quando: 10 e 11 de dezembro, às 22h
Onde: Citibank Hall – av. Jamaris, 213, Moema
Quanto: de R$ 40 a R$ 180
Informações: site t4f.com.br e tel. 4003-6464
Classificação etária: 12 anos

A cantora Vanessa da Mata está lançando o disco Bicicletas, Bolos e Outras Alegrias.

Lembranças da infância, alegrias e até algumas tristezas, com pitadas africanas, dão o tom ao novo disco de Vanessa da Mata, Bicicletas, Bolos e Outras Alegrias.

O álbum já chega às lojas embalado por O Tal Casal, que está nas rádios.

– O Tal Casal ia entrar no Sim [disco anterior da cantora]. Era uma das cinco músicas que ficaram de fora.

O nome inusitado, ela explica, está relacionado a alguns simbolismos. O bolo é lembrança da infância perto da avó, que preparava a iguaria nas tardes.

– A bicicleta tem uma infância, um sabor poético, tem uma brincadeira de imagem brasileira e ao mesmo mais popular, mais interiorana. Hoje em dia é urbana e não só ligada ao domingo… mas eu sempre gostei desse simbolismo da ‘magrela’. O bolo também está relacionado às famílias, ao social, à comida, à coisa da avó, do maternal.

Recheado de boas lembranças do passado, mas algumas tristezas também estão ali.

– Não é um disco extremamente feliz, tem umas sombras, mas eu fico um pouco sacaneando o meu lado muito triste. Eu acho que faz parte de um tipo de composição de hoje em dia, em que a mulher não se afunda depressivamente num romance. Eu acho que o romance foi mudando também, não é uma coisa mais leprosa, dramática. Então tem esse lado, tem a tragédia, mas eu rio dela no final.

Composição

Bicicletas, Bolos e Outras Alegrias ganhou forma em um final de semana solitário em Itaipava.

– Falei para a minha empresária que precisava de algum lugar em que conseguisse me concentrar, não atender telefone nenhum, não ter nenhum outro objetivo senão esse [compor]. Eu fui para a serra do Rio, em Itaipava, fiquei num hotel distante, no final de semana, tentando rascunhar, ter ideias do que poderia me dar uma segurança maior de um disco responsável a ponto de eu me orgulhar.

Nesse final de semana nasceram canções que, segundo ela, enfileiraram o disco, como Te Amo, Vê se Fica Bem e Fiu Fiu.

O processo de composição solitário, diz, resultou num disco com poucas parcerias. A influência africana aparece em uma delas, Vá, com o congolês Lokua Kanza.

Gilberto Gil assina com a cantora Quando Amanhecer. A canção nasceu depois de algumas tardes na Bahia, na casa do músico.

– A Flora [Gil, mulher de Gilberto Gil], me chamou, com o Gil, para ir à casa deles passar uma tarde. E todo dia eu ia, eles estavam me convidando todos os dias, e eu ia amarrada. E ele começou a me mostrar rascunhos do disco dele, Fé na Festa. E aí me deu uma melodia, eu acabei fazendo a letra, que foi Lá Vem Ela, que está no disco dele. Essas brincadeiras foram me dando ideias de composição. Aí um dia surgiu essa melodia [de Quando Amanhecer]. Ele começou a fazer a harmonia e depois eu fiz a letra.

Com as ótimas Fiu Fiu e Bolsa de Grife, ela embarca no universo dos dilemas femininos.

– Eu sempre quis fazer uma música com fiu fiu. Acho uma coisa muito boa, mas, se for um cara que não te agrada, o fiu fiu é péssimo. É uma cantada sem palavra nenhuma, que quer dizer muitas coisa. Além de Bolsa de Grife. Falar desse desencontro da mulher e do homem. Eu quis brincar com isso.

Por meio de seu perfil no Twitter, diz que já sabe o que os fãs estão achando do novo trabalho.

– Virei tuiteira. Quando saíam os discos, eu demorava muito até saber da reação das pessoas. Agora eu lancei disco e fico ‘E aí, alguém comprou?’. Vem aquele monte de resposta. Me dá um sabor diferente porque eu participo mais, estou um pouco onde a minha música chegou. É como se eu tivesse uma mosquinha na casa da pessoa.

Da menina com ascendência indígena que nasceu no interior do Mato Grosso a cantora renomada da música popular brasileira, Vanessa da Mata teve um longo caminho para percorrer. E a moça garante que seu maior desafio nesta jornada toda foi vencer seu medo da fama.

Em entrevista para a revista “Bravo!”, que chega nas bancas este mês, Vanessa conta que precisou fazer terapia para enfrentar as consequências do sucesso.
 A cantora afirmou que chegou a recusar trabalhos, quando bem no início entregou um demo em gravadoras, por não saber lidar com o que estava pela frente.

“Eu, que batalhara tanto, morri na praia. O motivo? Pavor de que um eventual sucesso me roubasse a privacidade”, explicou Vanessa, que se lançou como cantora aos 26 anos.

A cantora Vanessa da Mata acaba de lançar um novo álbum, que ganhou o nome de “Bicicletas, Bolos e Outras Alegrias”. Para a divulgação do novo trabalho, a própria cantora publicou em seu Facebook, uma nova música que faz parte do cd.
“O Tal Casal” segue o estilo natural da cantora, com lindas palavras e combinações que a cantora têm como marca registrada.

No ano passado, no dia 11 de setembro, Vanessa da Mata gravou um DVD no Canecão (Rio de Janeiro), a gravação teve quatro músicos no palco numa participação especial. No DVD, a cantora cantou seus sucessos como Não me deixe só, Ai, ai, ai… e Boa sorte/Good luck.


Os fãs da cantora Vanessa da Mata já podem começar a comemorar, pois a espera finalmente acabou o clipe de “Minha Herança Uma Flor” já está circulando na net. A faixa foi composta pela própria Vanessa. A direção do clipe ficou por conta de Gustavo Guimarães.

Atualmente Vanessa está preparando seu próximo disco de inéditas, a cantora já tem 17 músicas prontas, mas como ela já afirmou em outras ocasiões “não gosto de disco com 16 músicas prefiro um pouco menos”. O álbum ainda não tem data certa para chegar as lojas.

Para quem não sabe Vanessa apareceu no cenário nacional, após ter escrito a canção “Força Que Nunca Seca” juntamente com Chico César, para a cantora baiana Maria Bethânia, e desde então o publico e a mídia caíram nas graças de Vanessa da Mata.

Confira abaixo o clipe do vídeo da canção.

http://www.youtube.com/v/9QkivSaWDWk&hl=pt_BR&fs=1